Suzana Barreto | Tratamentos - Anti-Aging e Medicina Renerativa
(11)-3887-4220
Siga-nos nas redes sociais:

Tratamentos

Você está localizado em: Home » Tratamentos Anti-Aging e Medicina Renerativa
Compartilhe

Anti-Aging e Medicina Renerativa

Anti-Aging e Medicina Renerativa


I - 
Introdução

II - 
Um Pouco sobre Modulação Hormonal com Hormônios Base

III - 
O que são Hormônios

IV - 
A importância do equilíbrio metabólico-hormonal

IV - 
Longevidade

V - 
Os erros dos tratamentos atuais

VI - 
Os Hormônios Base

VII - 
Idade para Começar

VIII - 
Benefícios para os Homens

IX - 
Benefícios para as Mulheres


Introdução

O Anti-Aging e Medicina Regenerativa é um termo que se refere ao tratamento do ser-humano como um todo. Levando em consideração como o corpo funciona e quais os mecanismos que contribuem para desequilibrar nossa saúde. Assim, entendendo o funcionamento do corpo e o que pode faltar nele, desenvolvemos uma medicina que não trata apenas os sintomas, mas previne doenças e as trata procurando as causas dos problemas.

 

A Modulação Hormonal é a base deste tratamento que visa reequilibrar os hormônios e o metabolismo do corpo, através da utilização, quando necessário, de hormônios, de vitaminas e suplementos nutricionais. O objetivo desse tratamento é manter o corpo saudável, melhorar a qualidade de vida, dar ânimo e disposição, melhorar o metabolismo e a performance do corpo em qualquer idade e em qualquer situação.

Um Pouco Sobre Modulação Hormonal 

Um dos assuntos mais abordados na história recente da medicina é, com certeza, o uso – ou não – dos hormônios na saúde humana. A mídia aborda frequentemente o uso, as possíveis aplicações e os frequentes abusos destas substâncias. Esta permanência do assunto na mídia acaba gerando informações importantes, mas também, muitos mitos e falácias. Apesar de tudo, o uso de hormônios está em evidência.

Porém, infelizmente, os usos convencionais dos hormônios, principalmente através de tratamentos já conhecidos, como a terapia de reposição hormonal (TRH), são na verdade um verdadeiro erro! E isso tem se comprovado tanto em estudos científicos como na prática médica, aumentando a incidência de doenças e efeitos colaterais que muitas vezes são piores que o problema inicial.

Então porque falar de hormônios se eles não são bons? Bom... os hormônios são bons sim! Se fossem ruins, quanto mais hormônios o nosso corpo produzisse mais doenças teríamos, é claro. E, apesar deste pensamento ser corrente, durante a nossa juventude, que é o momento de maior produção hormonal de nossa vida temos saúde!

O que está errado então?

Tudo! O que está errado é o que se usa e como se usam os remédios nos tratamentos hormonais atuais. Para entender isso temos que entender que hormônios são as substâncias produzidas pelo nosso corpo e todos os seus derivados que não existem no nosso corpo são “remédios hormonais” ou “hormônios sintéticos”. Isto é a mesma coisa que dizer que bolo de chocolate é chocolate e não é!

O que são Hormônios

Os hormônios são substâncias químicas têm uma quantidade inumerável de funções biológicas. A importância hormonal é tanta que para que um recém-nascido possa respirar ao nascer é preciso a liberação de grandes quantidades de hormônios em seu pulmão para amadurecê-lo. O crescimento, a formação de músculos, a transformação de uma criança em um adulto, a força do coração, a capacidade de raciocinar do cérebro, o poder de cicatrização de nossos tecidos, todas essas são funções dependem diretamente da produção de do equilíbrio hormonal. 

A importância do equilíbrio Hormonal

À medida que envelhecemos e perdemos o equilíbrio hormonal. Ou seja, alguns hormônios caem outros sobem, isso desequilibra a balança metabólica do nosso corpo. Assim, a maior parte das funções que dependem dos hormônios começa da deteriorar.

 

É a partir de mais ou menos os 30 anos de idade que o nosso corpo está programado para diminuir o equilíbrio hormonal. Assim, lenta e progressivamente, começamos a sentir o efeito do envelhecimento e as doenças que o acompanham. Aos poucos, começamos a nos sentir mais cansados, mais esquecidos, com mais dificuldade de aprender, de fazer exercícios, de se recuperar de uma doença, temos mais problemas circulatórios e do coração, ou seja, nos sentimos envelhecendo!

O melhor equilíbrio da produção hormonal, durante toda a vida, se dá por volta dos 20 anos de idade, e é por isso que o nosso corpo e mente estão, normalmente, na sua melhor forma nesta época da vida. Mas, infelizmente, a natureza nos deu uma garantia de saúde suficiente apenas para garantirmos a manutenção de nossa espécie – ou seja, para que tenhamos descendentes - e é este o interesse da natureza com todas as espécies vivas do nosso mundo. Assim, por volta dos 30 anos de idade, variando de pessoa para pessoa, o nosso corpo começa a diminuir sua produção hormonal e, nós começamos a sentir aquilo que chamamos de envelhecimento. 

Longevidade

Com a modernização da medicina, principalmente com o advento de noção de higiene e do antibiótico, o ser-humano começou aumentar muito seu tempo de vida. Durante os aproximadamente 200 mil anos de existência do homem na terra, faz menos de 1.000 que ele superou o seu “tempo de garantia”, ou seja, que ele superou os 30 anos de expectativa de vida. Mas desde então essa superação vem crescendo cada vez mais rápido e hoje já beira os 70 anos de idade de média mundial.

Esse aumento no tempo de vida que a evolução nos trouxe gerou também um novo problema: estamos vivendo mais e quanto mais velhos ficamos menor a qualidade de vida. E por quê? Porque estamos vivendo mais tempo  sem o equilíbrio do nosso metabolismo. Quanto mais tempo vivemos sem funcionarmos corretamente mais e mais perdemos as capacidades de recuperação e regeneração do nosso corpo. 

Os erros dos tratamentos atuais

A maior parte dos tratamentos hormonais na atualidade se baseavam em um ou dois hormônios, não levando em consideração que o nosso corpo funciona através de uma orquestra hormonal  com posta por centenas de hormônios, onde cada hormônio tem sua função e quando todos não trabalham juntos o resultado é a perda do equilíbrio de todas as funções adequadas do organismo.

 

Além desse grande problema, existe outro ainda maior, os hormônios usados classicamente pela medicina, são hormônios transformados quimicamente a partir da estrutura dos nossos. Isto significa que foram transformados, ou seja, já não são mais exatamente hormônios. E é essa categoria de hormônios, os “sintéticos” ou “remédios derivados de hormônios”  que geram todos os problemas que são erradamente atribuídos aos hormônios.

Felizmente, a modulação hormonal vem para mudar a visão e o tratamento destes problemas. A modulação hormonal baseia-se no tratamento do desequilíbrio metabólico e hormonal a que toda a pessoa normal está sujeita. Para tratar adequadamente estes problemas, usamos hormônios base, que fazem a manutenção das funções originais do corpo. 

Os Hormônios Base

Hormônio é qualquer substância química que tenha uma função de informar as células do corpo qual ação ela tem de realizar, por exemplo, a testosterona informa às células musculares para aumentarem de força e volume quando se faz exercício físico. O cortisol é um hormônio que é liberado em grandes quantidades pela manhã aumentando a pressão sanguínea e liberando energia para acordarmos. Assim acontece com o sono, com a fome, com as emoções...  Portanto, podemos perceber que para cada atividade que ocorre em nosso organismo há um hormônio responsável por controlá-la.

Até pouco tempo, os únicos hormônios utilizados para o tratamento de problemas hormonais em seres humanos eram hormônios sintéticos, que tem a estrutura química do hormônio natural transformada, isto significa que estes hormônios 
não são encontrados na natureza e muito menos no ser humano. É importante salientar que, para o nosso corpo, falar em hormônio quimicamente modificado  é o mesmo que falar em hormônio totalmente diferente do nosso,  o corpo reconhece os hormônios como sendo “chaves” e, assim como as chaves, se não forem exatamente iguais as “chaves” originais, não funcionam corretamente.

À classe de hormônios quimicamente modificados convencionamos chamar de “hormônios sintéticos”, talvez seria mais adequado chamarmos de “remédios hormonais” ou algo que o valha. Mas são assim chamados, não somente por serem fabricados artificialmente, mas por serem estruturalmente diferentes dos hormônios humanos. Esses “hormônios sintéticas” são usados na TRH (Terapia de Reposição Hormonal) da menopausa, nos anticoncepcionais orais (pílulas),nos implantes hormonais, em DIU (Dispositivo Intra-Uterino) e nos hormônios injetaveis (injeções anticoncepcionais). Além disso, os derivados de hormônios masculinos, são usados como anabolizantes em casos de doenças debilitantes ou, infelizmente, em casos de doping para o esporte.

 

Frente a esta situação temos recentemente e felizmente os hormônios base, estes por sua vez, são hormônios fabricados para terem a mesma estrutura química dos hormônios humanos. Em outras palavras, podemos dizer que estes são hormônios exatamente iguais aos hormônios humanos, tendo as mesmas funções e características que os hormônios que produzimos naturalmente.

Idade para Começar 

Levando em conta que hoje sabemos que nossos corpos precisam de manutenção para preservar a saúde e a qualidade de vida, nos resta a dúvida de quando isto deve ser feito. Na verdade não existe uma idade única e obrigatória para começar a manutenção do nosso corpo. De fato, assim como uma máquina, um motor ou um aparelho, o nosso corpo deveria passar por revisões e manutenção constantes – desde a infância. Sendo que quanto mais jovens começarmos a manutenção do corpo mais fácil será mantê-lo.

Mas, como uma regra geral, por volta dos 30 anos de idade, variando de pessoa para pessoa, a “garantia de fábrica” do nosso corpo vai vencendo. Isto significa que por volta desta idade cronológica, o nosso organismo começa a entrar em desequilíbrio, pois está “programado” para isto. Esta seria a idade geral para se começar a modulação hormonal e os programas de manutenção da saúde, visando não deixar acontecer grandes perdas na qualidade de vida. Os desequilíbrios serão mais difíceis de tratar quanto maior for o tempo de existência dos problemas resultantes dos desequilíbrios não tratados.

Porém, nunca é tarde para começar. E sempre existem ganhos quando se reequilibra as funções do corpo, independente da idade.

Benefícios para Homens

Homens e mulheres compartilham de quase todos os mesmos hormônios. O que muda, são os níveis, as quantidades, de hormônios produzidos por um e outro.

As principais queixas que os homens têm e que tem relação direta com o desequilíbrio hormonal são: a perda da libido sexual, diminuição da performance sexual, impotência sexual, problemas de próstata, cansaço crônico, fadiga, perda da qualidade do sono, perda da produtividade no trabalho, aparecimento de rugas e envelhecimento precoce.   

Com o reequilíbrio dos hormônios através da modulação hormonal teremos  a reversão parcial ou total desses e de outros sintomas que relacionamos com o envelhecimento ou que são tidos com problemas “normais” da idade. Obviamente a sucesso do tratamento depende da gravidade do problema, do tempo que já existe e da correta utilização dos medicamentos prescritos.

 

Benefícios para Mulheres

Como dito anteriormente, homens e mulheres compartilham de quase todos os mesmos hormônios. O que muda, são os níveis, as quantidades, de hormônios produzidos por um e outro.

As mulheres têm características peculiares com relação aos hormônios. Devido à finalidade reprodutiva do organismo da mulher seus hormônios geram um ciclo hormonal, que prepara o corpo feminino parar engravidar. Esse preparo acontece mensalmente até que isso aconteça. Assim, a mulher está sujeita a variações importantes dos seus níveis hormonais desde jovem. 

Com o mundo moderno e a necessidade de se controlar o número de filhos, veio também a manipulação precoce do corpo da mulher com hormônios sintéticos. Os anticoncepcionais orais ou pílulas, são “remédios hormonais” que alteram o ciclo hormonal da mulher. As consequências dessa manipulação hormonal pode, muitas vezes, gerar problemas importantes para a saúde da mulher como dificuldade de engravidar, fadiga, retenção de líquidos, frigidez sexual, sintomas depressivos, risco de trombose, risco de derrame, retenção de gordura, osteoporose e vários outros problemas. Por isso, atualmente as mulheres estão tendo sintomas de desequilíbrio metabólico-hormonal cada vez mais cedo.

A menopausa é, talvez, o problema metabólico-hormonal mais conhecido, mas normalmente muito mau tratado. A menopausa é, na verdade, uma somatória de desequilíbrios que culmina com a parada dos ciclos menstruais. Sendo tratada normalmente somente com um “hormônio sintético”. O que normalmente não é levando em consideração são todos os outros défcits metabólico-hormonais que estão associados e o resultado do tratamento normalmente é insatisfatório quando não muito ruim.


Outro sintoma hormonal que atinge uma grande parte das mulheres é a TPM (sigla para tensão pré-mesntrual), resultado de desequilíbrios na produção dos hormônios sexuais femininos. Além disso, ansiedade, depressão, aumento da agressividade, aumento do peso corporal  e perda do libido sexual são sintomas muito freqüentes relatados pelas mulheres.

As mulheres também apresentam sintomas comuns entre homens e mulheres como perda da qualidade do sono, diminuição da produção no trabalho, indisposição, formação de rugas e envelhecimento precoce.

Assim como nos homens, os benefícios do tratamento de modulação hormonal são a reversão parcial ou total desses problemas citados e, ainda, de outros sintomas que são relacionamos com o envelhecimento ou que são tidos com problemas “normais” da idade. Mas que na verdade estão relacionados com a perda da produção e do equilíbrio hormonal.

 

Av. Brigadeiro Luiz Antônio, 2504 • Conj. 42 • Bela Vista
(CEP: 01402-000) - São Paulo - SP | Tel.: (11) 3887-4220
contato@suzanabarretto.com.br

Newsletter

Receba as novidades da Clínica Suzana Barretto em seu e-mail!

2017 - www.suzanabarretto.com.br - Todos os direitos reservados.
Médica Responsável Técnica: Dra. Suzana Barretto G. Pereira. CRM 34543